EDUCAR A CRIANÇA  É AMPARAR A VELHICE.
 
 
 
 
 

Biografia

RONILDO PEREIRA DA LUZ, conhecido no mundo artístico como ROMILDO PEREIRA.

Mineiro, natural da cidade de Araguari/MG.

Em 1.972 chega em São Paulo vindo de Minas Gerais, trazendo em sua bagagem apenas um sonho: ingressar no mundo artístico. Mas como?
Para aproximar dos artistas ou pessoas do mundo artístico era muito difícil. Para resolver este problema veio a ideia de arrumar emprego como cobrador de ônibus coletivo que fazia o percurso Ipiranga/Sumaré, linha à qual passava na porta da TV Tupi (Canal 4 São Paulo).
Desta maneira, com o tempo passaria a conhecer funcionários da televisão e assim aconteceu. Conheceu o iluminador “Carioca”  de quem ficou muito amigo e foi através dele que conseguiu seu primeiro emprego na televisão onde aprendeu várias profissões e a conviver no mundo tão sonhado.
Na TV Tupi teve uma carreira brilhante. Começou como cabo-man “assistente de câmera-man”, passando à assistente de tráfego de vídeo-tape, assistente de produção de novelas e produtor executivo.
Estas experiências vividas no meio de grandes profissionais, como: diretores de novelas, escritores, atores, atrizes, jornalistas, apresentadores e grandes  programas musicais da época, iriam dar a base necessária para a criação de quadros de sucesso para programas de TVs e a descoberta de vários valores artísticos.
Com o fechamento da TV Tupi, foi um dos primeiros funcionários a ser contratado para a abertura do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) para assumir o cargo de Chefia do Tráfego de Vídeo-Tapes para Programações onde ficou por seis meses na função até montar todo o departamento. Daí passou a integrar a equipe de produção do programa Flávio Cavalcanti, pra logo em seguida ir para a produção do programa Moacyr Franco Show onde participou da criação do quadro “Estrela Por Uma Noite”, quadro que dava chances à novos talentos. Com isto, o programa Moacyr Franco Show obteve os mais altos índices de audiência da televisão brasileira.
Com o fim do programa passa a integrar a equipe de produção do programa Raul Gil. Nesta época criou, produziu e dirigiu o quadro “Essas Crianças Curiosas” que se tornou o maior sucesso do programa.
O sucesso com o quadro “Essas Crianças Curiosas”  foi tão grande que outros programas do SBT e outras emissoras passaram a dar mais atenção às crianças, criando quadros novos e até programas direcionados “vale lembrar que fora as grandes novelas, a maior audiência da TV são os programas infantis”.

Em 1.982, dentro do SBT, Romildo conheceu o maestro Otávio Basso, que lhe apresentou o cantor João Viola. O cantor era bem-sucedido no Norte/Nordeste do País e totalmente desconhecido em São Paulo. Ao ajudar esse cantor, a vida de Romildo Pereira tomaria outros rumos.

Em 1.983 deixa a televisão e começa a cuidar da carreira do cantor João Viola.
Em menos de um ano, o cantor fica conhecido nacionalmente. Com o sucesso do cantor, vários empresários de renome no meio artístico começaram à cobiçá-lo e Romildo Pereira com pouca experiência no ramo empresarial acabou por perder esse artista.
Sem muito o que fazer, resolveu criar a Romildo Pereira Produções Musicais, empresa especializada em produções artísticas e revendas de shows de artistas diversos.

No final de 1.983, fecha um acordo com o Sindicato Rural da cidade de Barra do Garças/MT para agenciar todos os artistas para a exposição agropecuária daquele ano e na qual agenciou dez grandes artistas e foi justamente nesta exposição que viria a conhecer a dupla Leandro e Leonardo que na época totalmente desconhecidos cantavam em uma pequena barraca instalada no pátio da exposição. Romildo disse para a dupla: - “Quando puderem, vá para São Paulo e vou ver no que posso ajudar vocês”.  Um mês depois, Leandro e Leonardo pegaram carona com um médico “Dr. Idelmar da cidade de Inhumas/GO” que iria à São Paulo. O médico foi junto com Leandro e Leonardo até o escritório de Romildo Pereira. Em um bate papo, Romildo convenceu o médico a patrocinar a gravação de um tape para Leandro e Leonardo, prometendo ao médico que produziria o tape e colocaria em uma gravadora.
O médico concordou em patrocinar o tape. Aí surgiu um grande dilema. Como nunca tinha produzido disco, Romildo sai pela rua pensando, como fazer um disco diferente e que caísse no agrado das pessoas. E assim pensativo caminhando, ouve do outro lado da rua em uma loja de discos a música “Sala de Cirurgia” do cantor Amado Batista. Aí veio a ideia “puxa vida, o Amado Batista vende mais de 2 milhões de discos e suas músicas são cantadas de maneira simples, ele sola e dueta consigo mesmo, é isso que vou fazer com o Leandro e Leonardo. O maestro que faz os arranjos para o Amado Batista é o meu amigo Otávio Basso”.
No outro dia, Romildo ligou para o maestro e disse para ele que precisava fazer uns arranjos para uma dupla sertaneja. O maestro meio que surpreso, disse: mas Romildo, eu nunca fiz arranjos para dupla sertaneja. E Romildo responde: eu sei Otávio, mas o que eu quero que você faça é o mesmo tipo de arranjo que você faz para o Amado Batista. O maestro responde: É, mas o arranjo que faço para o Amado não é sertanejo. E Romildo responde: Mas é isso que eu quero. O maestro responde: ta bom, se é isso que você quer. E assim foi feito.
Romildo produziu o tape e foi muito criticado por produtores, empresários e cantores da música sertaneja por ter criado um estilo de música meio estranho, não era nem caipira e nem popular, era um meio-termo. Por esse motivo, nenhuma gravadora de renome estava disposta a lançar a nova dupla Leandro e Leonardo. Mas Romildo não estava errado, apenas estava adiantado no tempo uns três ou quatro anos.
Com o surgimento de uma nova gravadora no mercado, a “3M do Brasil”, Romildo foi até lá e conversou com o Presidente da gravadora “Moacir Machado”, que ao ouvir o tape gostou e na hora disse: Pode trazer a dupla para assinar o contrato. O disco é o que contém a música “Contradições”, o primeiro sucesso da dupla Leandro e Leonardo.
No começo do sucesso da dupla, por divergências profissionais com um dirigente da área de divulgação da gravadora, Romildo afastou-se da dupla para que ela não fosse prejudicada por sua causa. Daí para frente, toda a história da carreira de Leandro e Leonardo é do conhecimento geral.
Valeu as críticas, mas Romildo estava certo de criar este novo estilo de música “a jovem música sertaneja”.

Também durante o decorrer da festa em Barra do Garças/MT, o único dia que não teria uma grande atração de renome, porque foi solicitado pelo Presidente do Sindicato Rural, que queria colocar uma dupla da região. A dupla se chamava “Zazá e Zezé”.
Como Romildo não tinha o que fazer no dia, resolveu dar assistência à dupla tratando-os com o mesmo respeito dos grandes nomes e assim nasceu uma grande amizade entre os três.
Tempos depois com a separação da dupla, Zezé vai para São Paulo e procura Romildo Pereira.
Depois de gravar dois discos solos,  Zezé Di Camargo resolve trazer de Goiânia o irmão Luciano e pergunta para Romildo o que ele acha da ideia de formar uma dupla. Romildo de pronto concordou.
Assim começou novamente outra maratona atrás das gravadoras e nenhuma delas acreditou na dupla Zezé Di Camargo e Luciano.
Um dia, o Zezé chegou no escritório e disse com tristeza: - “Tá difícil pra nós, né Romildo?”
Romildo Pereira olhou para ele e vendo que seus olhos estavam meio lacrimejados, ficou revoltado e disse: - “Tá difícil, mas não impossível. Eu vou resolver esta parada ainda hoje!”
E assim fez. Foi até a gravadora Copacabana que já tinha anteriormente fechado as portas para a dupla e discutiu uns 40 minutos com o Presidente da Companhia “Sr. Adiel Macedo de Carvalho”, que irritado disse: - “Romildo, esta dupla parece cópia do Chitãozinho e Xororó. Isso não dá em nada!!!”
Romildo, também irritado deu um tapa na mesa do Presidente e disse: - “Não é não, seu Adiel!”
O Presidente da Companhia o olhou por cima dos óculos de leitura e bravo disse: -  “Tá bom Romildo! Eu vou gravar seus artistas, pois, você já me deu lucros com Alan e Aladim. Eu te devo essa. Como é mesmo o nome da dupla?”
Romildo responde: - “Zezé Di Camargo e Luciano, seu Adiel!”
Em seguida entraram no estúdio e gravaram. O disco tinha uma programação para sair 4 meses depois.
Preocupado, Romildo convenceu o técnico do Estúdio a tirar algumas cópias do tape em fitas e mandou para algumas emissoras de rádio escondido da gravadora.
Romildo disse para Zezé Di Camargo: - “Como você vai viajar para Goiânia, aproveita e pede para os radialistas nos ajudarem. Temos que provar para gravadora que vocês serão sucesso”. E assim foi feito, a música “É o amor” disparou em Goiânia, Triângulo Mineiro e interior de São Paulo.
Com isto, a gravadora ficou sabendo e o Sr. Adiel mandou chamar o Romildo e disse: - “Olha aqui, seu moço. Isto aqui é uma Empresa que tem suas programações. Como é que você manda fitas para as rádios sem nossa autorização?”. Dá uma pausa, balança a cabeça negativamente e diz sorrindo: - “Você não tem jeito, seu Romildo! Agora tenho que lançar seus artistas já. Vá escolher as fotos para a capa do disco”.
Assim nasceu mais um grande sucesso da jovem música sertaneja: Zezé Di Camargo e Luciano com a música “É o amor”.
Com a explosão do sucesso de Zezé Di Camargo e Luciano, grandes propostas foram feitas à dupla.
Zezé foi até Romildo e perguntou-lhe: - “Se ele lhes dava uma chance para assinar um contrato com um grande empresário e vários investidores”. E Romildo respondeu: - “Sei que vou perder muito dinheiro, mas não vou impedir que vocês façam um bom negócio e que Deus os iluminem”. Para muitos, essa é a parte desconhecida da história de Zezé Di Camargo e Luciano e Romildo Pereira.

Em 1.989, na cidade de Franca/SP, Romildo conheceu uma nova dupla que estava iniciando na carreira juntamente com seu empresário inexperiente na atividade e resolveu ajudá-los também.
Trouxe-os para São Paulo e os ajudou no período de um ano. O empresário inexperiente ficou experiente e conhecido como Paulo Henrique e a dupla ficou famosa como Gian e Giovani.

Romildo Pereira em suas andanças pelo País visitando rádios e divulgando artistas, ficava revoltado com as grandes gravadoras por desprezar as pequenas emissoras de rádio, às quais não recebiam suplementos promocionais. E foi assim que surgiu a ideia de montar uma gravadora, nascendo a SONOBRÁS Discos.
Com apenas dez anos de existência, já é considerada a melhor gravadora brasileira para os novos artistas e a maior distribuidora de discos para emissoras de rádio do Brasil e Países da América Latina, atendendo aproximadamente à 7.000 emissoras de rádio, fazendo jus ao slogan (SONOBRÁS Discos – Uma parceira do rádio).

2002 :  novas mudanças na vida de Romildo Pereira.
Devido ao vasto conhecimento e o grande relacionamento de amizade e profissional com as emissoras de rádios em todo o Brasil, é convidado por Ricardo Monteiro, executivo da empresa Procter & Gamble do Brasil para prestar serviços de promoções dos produtos  junto às emissoras de rádios.
Romildo Pereira aceita e assim nasce uma nova atividade e um novo desafio em sua vida.
O primeiro produto da empresa promovido por Romildo Pereira foi o detergente em pó “Sabão ACE”. A promoção inicial aconteceu no interior dos estados de São Paulo e Minas Gerais, expandindo por todo o país. Cinquenta dias após o início das campanhas, o Sabão ACE obteve um acréscimo de vendas de nada menos de 300% (fato comprovado tanto pela empresa como pela revista especializada de mercado Giro News). A partir daí, outros produtos da empresa passaram a serem promovidos no rádio através da empresa Sonobrás, de propriedade de Romildo Pereira.
Os produtos seguintes foram: “Fraldas Pampers”, o absorvente “Always”, a pomada “Hipoglos”, o xarope “Vick 44E”, o “Vick Vaporub” e a parceria “Ace/Consul (lavadoras)”.

Em 2005 passa a promover também o produto do Frigorífico Marba “Mortadela Marba”, grande sucesso de venda e líder de mercado.

Em 2006, grandes conquistas.  Passa também a promover um dos maiores magazines de moda do planeta: a C&A MODAS. E também os produtos da empresa coreana “SAMSUNG”.

Em 2007, mais uma vez com indicação do executivo Ricardo Monteiro, passa a promover em rádios os produtos Poliflor / Destac / SBP / Repelex / Veja,  da empresa multinacional Reckitt Benckiser.

Graças ao bom trabalho desempenhado para vários produtos, Romildo Pereira tem hoje um excelente relacionamento profissional com grandes agências de publicidade, tais como: JWThompson, Leo Burnett do Brasil, Euro RSCG do Brasil, Avanti Propaganda, Famiglia, África, 3MB Propaganda, Portfolio, Y&R, NBS,  entre outras. 

Mas não para aí. Romildo Pereira continua a produzir e lançar novos artistas no mercado fonográfico.
Romildo Pereira está sempre disposto a novas atividades, e acha que boas parcerias trazem bons negócios.
 
Romildo Pereira é hoje um dos grandes produtores de discos do Brasil e também considerado o maior descobridor de talentos dos últimos vinte anos.
Sua grande força: A Humildade e Determinação.